30/11/2011

Qual o seu estilo de decoração?

Olá povo, estou em uma semana um pouco corrida, estou tentando manter a atualização no mesmo ritmo, obrigado pela participação de vocês, dos comentários e tudo mais, vamos fazer o bloguinho crescer. Se vocês tem acompanhado os posts peço a ajuda de vocês para divulgarem  as matérias, é só clicar no símbolo do facebook, orkut ou twitter na barra lateral para ajudar na divulgação, é rapidinho! 

Bem, mas hoje vamos falar de algo bem interessante: qual o seu estilo de decoração? Todos querem aprender a decorar sua casinha ou ter a sua casa decorada por um profissional. Mas o primeiro passo de um decorador é entender o estilo de decoração dos habitantes de uma casa, e o que é mais interessante numa casa é que geralmente ela terá tantos estilos quantos habitantes tiverem e para deixar ao gosto de todos é necessário um certo jogo de cintura. Geralmente a casa fica ao gosto da Dona da casa, se bem que isso já está mudando, os homens andam participando da decoração o que é pior, pois na maioria das vezes sua opinião baseia-se no quanto custa e não no que realmente  fica melhor. 

Definido o que se quer, passa-se  à definições das cores predominantes e por último à escolha dos móveis. É muito importante a definição do estilo para o sucesso da decoração, mesmo que ele seja "nenhum estilo". 

E hoje vamos falar do estilo Retrô


Decoração Retrô

Retrô significa volta ao passado, trata-se de uma volta ao que fez sucesso há algumas décadas atrás, principalmente nas décadas de 50/60/70. Não se trata de uma decoração no estilo antigo com móveis velhos. Trata-se de uma busca por aquilo que tornou-se eterno, o qual chamamos de clássico. O que deve ter uma decoração retrô? Primeiro lugar peças-chaves, que não são necessariamente antiga, mas tem o estilo daquela época, o que nós chamamos de releitura. 

 

Linha retrô da Brastemp


Ou ser mesmo uma peça antiga, em funcionamento ou não, mas considero que as que funcionam são sempre um charme a mais, e estas peças-chaves devem ter o maio destaque na casa. Imagine um telefone antigo que você ainda utilize para atender, já que não se pode mais nas linhas digitais  rodar o discador. 

 


Pequenas peças, ou mesmo peças únicas são mais que suficiente para nos chamar a atenção para este estilo. O importante para o sucesso, é diferenciar o colecionador da decoração, por exemplo, coleção de telefones antigos deve se comportar como peças de coleção, ter um lugar específico para eles, talvez um ou outro compondo os ambientes, mas espalhar telefones pela sala moderna pode sair um tanto estranho.(há quem discorde)

 Outro ponto interessante é compor com peças da mesma época, por exemplo, peças modernas dos anos 50/60/70 são diferentes de peças clássicas da década de 20, nessa década o bom gosto ainda prevalecia os estilos franceses antigos, apesar da Art nouveau já  ter preparado o terreno para os novos estilos que viriam surgir 50 anos depois.



As cores utilizadas são geralmente as cores fortes só que envelhecidas, com adição de amarelo, ou como chamamos, dessaturada. Corresponde à cores que vemos hoje nos vídeos antigos,  aos encartes envelhecidos naturalmente com o tempo, nas fotos já amareladas. Geralmente quando queremos fazer uma referência aos meados do século passado a dessaturação das cores e amarelamento são  o truque.  Lembrando que com o avanço da litografia colorida no início do século passado os cartazes passaram a ser melhor elaborados, com uma mistura de cor muito marcante... durante os próximos anos a brincadeira avança progressivamente resultando numa época colorida aos extremos, onde todas as cores combinam com todas as cores. O importante era colorir. 





 O segredo desse tipo de decoração chama-se: UNIDADE. A unidade é que se procura em todas as decorações, mas neste caso específico, onde as misturas estão presentes, mistura de cores, misturas de épocas, mistura de estilos a UNIDADE é algo primordial. Outra coisa que deve ser levado em consideração é o que é vintage/ retrô e o que é apenas velhinho.  

Diferença entre uma peça vintage e uma peça somente velha.

Eu costumo dizer que nem tudo que é velho, é realmente velho, nem tudo que é antigo tem valor de antiguidade, nem tudo que é novo é necessariamente inédito, nem tudo que é contemporâneo é necessariamente dos dias de hoje. Bem, como diria Einstein tudo é relativo.  Para que uma peça seja considerada vintage deve ter mais de 20 anos, no mínimo e deve ter um estilo e um designe específico daquela época pelo menos,  é óbvio que muita coisa referente ao século XVIII, continuou sendo fabricado nos séculos XIX e XX. O que desvaloriza bastante a peça como antiguidade. Como hoje ainda são fabricadas peças com designe da década de 60 sem ser considerada de fato uma peça vintage, sobretudo pelo estilo atemporal como são as cadeiras barcelona dos anos 30 idealizada pelo arquiteto Mies van de Rohe seguindo os preceitos da Bauhaus.

Ficheiro:Barcelona1.jpg


O que eu quero dizer é que este tipo de mobília é vintage por essência e por definição,  no entanto, só o é para quem a conhece. De forma que passará despercebida em uma sala contemporânea com um perfil  mais clean.



decoração clean e elegante do hotel Slaviero

Já as cadeira tulipas de Eeron Saarinem da década de 50, seguindo os mesmos preceitos da Bauhaus é notadamente uma peça vintage. Um clássico do designe vanguardista daquela época, ou seja é uma peça que dá um toque vintage a qualquer decoração.



Bem... como tudo, há quem discorde do que eu falei... mas a impressão é essa mesma... as contemporaneidade das cadeiras Saarinem fica por contas das releituras que deram  com novo formato e novo material, coferindo um ar mais sofisticado e leve como as de acrílico transparente, as vazadas, as forradas, além das coloridas.

Cadeira Saarinen 


do designe Pierre Paulin vi na Inove designe


Deste mesmo modo pode-se falar  também das cadeiras Panton que são uma expressão fiel da unidade que se pretendia alcançar no designe da década de 60. Talvez, hoje esse sentido seja meio perdido.

abajour e luminárias


Agora o que não é vintage, nem retrô,  ou  é velho ou é antigo mesmo... vou tentar fazer uma diferenciação básica.


Cômoda Velha


Essa comoda pode ter sido feita em qualquer época depois de 1860, já que se trata possivelmente de compensado e revestido com folheado de madeira. Os puxadores, apontam para um data mais recente. O que eu quero dizer é que está comoda pode ter 100 anos, 50 ou 10,se assim for, desculpem-me os que possuem uma parecida, mas ela é somente velha.Não é representante de estilo nenhum.




Cômoda retro/vintage

  
foto que peguei no OLX de alguém que queria vender.

Já esta comoda, parece-me ser da década de 50 em diante pelas linhas retas, pés palitos e simplicidade, trata-se aqui de uma peça vintage/retrô. 



Cômoda antiga  

Cômoda francesa
vi aqui

Já esta cômoda vem do estilo francês conhecido como Império. Trata-se de uma antiguidade em que a originalidade da peça desde o acabamento e a conservação influenciam no valor. 



Muitos desconsideram essa classificação que acabei de dar.. mas eu assim utilizo desde que  andei pesquisando a história do mobiliário... é mais didático. 

Bem, vocês já viram que quando eu falo de móveis eu viajo e posto fica loooongo, vai lendo aos poucos... não esquece de favoritar o bloguinho, nem de divulgar no facebook. 

E agora eu faço uma pergunta, será que você tem alguma antiguidade ou peça vintage ??? 



PS. Muitas fotos não foram citadas as fontes porque fazem parte dos meus antigos arquivos que salvava na internet e não guardava a referencia. Mas dá para saber que quando eu crio algo, em sempre coloco o  logotipo do bloguinho. Se tem alguma coisa sua aqui, por favor, avise-me.


Abraços e até o próximo post

Compartilhar

Qual o seu estilo de decoração?
4/ 5
Oleh

Assine via e-mail

Adicionar o seu endereço de e-mail para subscrever .

2 comentários

Escrito comentários

Só uma palavrinha!!!

Página inicial